Resenha: Indomável - S.C. Stephens - Editora Valentina

Título: Indomável - Rock Star #4 
Autor: S.C. Stephens
Editora: Valentina
Ano: 2017
Páginas: 400
Onde Comprar: AMAZON 
Sinopse:

Ser o baixista da banda de rock mais famosa do mundo proporcionou muitas vantagens para Griffin Hancock: uma bela casa, um carro veloz e, o mais importante, sua incrível esposa Anna. A única coisa que a fama não lhe trouxe foi um refletor focado apenas nele. Anna o aconselha a ser paciente, e diz que seu talento vai acabar por lhe trazer isso. Só que Griffin está farto de esperar pela oportunidade de brilhar por completo.
De forma inesperada para todos, Griffin toma uma decisão chocante e resolve assumir o maior risco de sua vida. Subitamente ele se vê debaixo de novos refletores, luzes, câmeras e... caos -- algo que acaba por levar ao limite o seu relacionamento com Anna. Sua compreensiva esposa sempre considerou sexy o comportamento imprevisível do marido, mas, de repente, sentimentos de dor começam a transparecer em seus olhos, e isso coloca a alma de Griffin em uma espiral de desespero e infelicidade.
Justamente quando o reconhecimento do seu talento está ao seu alcance, a pessoa que ele mais ama no mundo pode estar lhe escorrendo pelos dedos.


Quando soube que a editora Valentina iria trazer pro Brasil o livro do Griffin, fiquei bem empolgada para conhecer mais esse excêntrico personagem. Desde o primeiro livro da trilogia Rock Star, o baixista da banda D-bags é presença marcantes em várias cenas.

Griffin, é aquele personagem que a gente ama ou odeia. Seu jeito sem noção, sem filtro, irresponsável e egocêntrico, faz com que seus amigos de banda não consigam confiar a ele, uma posição de mais destaque dentro de suas apresentações. Cansado de ter suas ideias vetadas e nunca conseguir um espaço por causa das suas próprias atitudes, começa a se sentir sufocado dentro da banda. 

“— Eu não sei quanto tempo mais consigo esperar, Anna. Eles estão me mantendo debaixo d’água e eu estou me afogando. Algo precisa mudar. E mudar logo.”

Acostumado com o estrelato, sua gana em ser o centro das atenções, o faz tomar atitudes precipitadas colocando suas vontades à frente de qualquer outra pessoa, decepcionando assim, seus amigos e sua família. 

Para quem leu os livros anteriores, sabe que Griffin e Anna tiveram uma filhinha, a pequena Gibson, que protagoniza cenas engraçadas.

“Anna simplesmente me pegou firme e me satisfazia por completo, de um jeito que mais ninguém conseguia.”

Anna por sua vez, está sempre ao lado de seu marido ajudando-o, aconselhando-o e pensando no bem estar de sua família, mesmo que para isso tivesse que respirar fundo em algumas situações e com uma paciência hercúlea, embarcar nos sonhos mais loucos que Griffin tinha na sua busca impensada rumo ao seu estrelato.

Acontece que por mais que as oportunidades pudessem aparecer para esse cara, Griffin não pensava nas consequências de seus atos, o que culminou em sua saída da banda de forma arrasadora, tendo grandes consequências para seus amigos, Kellan, Matt e Evan. 

“— Você se colocou para trás. Com o seu orgulho, seu ego, sua recusa em batalhar mais e fazer o trabalho duro. Isso é que colocou você para trás. A única pessoa que você pode culpar aqui, Griffin, é você.”

Com o prenúncio de uma bela e caótica situação, a carreira de Griffin com descer ladeira a baixo e a frustração toma conta dele que mais uma vez não pensa nas consequências e leva sua família para o fundo do poço. Seu egoísmo é tão grande que até Anna precisa dar um basta para resgatar sua família, mesmo que para isso precise se afastar do seu grande amor. 

Griffin sofre, está perdido e passamos a acompanhar seu limbo. E nada como o tempo e uma mão amiga de onde ele nem esperava vir, para começar a amadurecer suas atitudes, repensar suas estratégias, ter seus amigos de volta e conseguir o perdão de sua família.

Indomável é o tipo de leitura cheia de reviravoltas, mas confesso que não me arrebatou de forma que esperava. Acho que isso acontece quando nos enchemos de expectativas com algumas histórias. 



Apesar da autora mostrar um Griffin apaixonado por sua família, sua imaturidade colocando a integridade de suas filhas e esposa não foi algo legal de ler. Uma coisa que me cansou muito ao longo da leitura, foi o excesso de palavrões e de cenas hots, mesmo sabendo que o personagem era bem desbocado e promíscuo, me pergunto se realmente havia necessidade desse excesso, tanto que a história só começa a ficar interessante depois que passa da metade do livro.

No entanto, a parte boa da leitura se dá com a presença desses amigos, do carinho e dedicação da Anna e da Gibson. E apesar de não ter sido o meu livro favorito da série, também gostei de acompanhar o amadurecimento de Griffin e sua busca para mostrar sua nova face para os que verdadeiramente o amam.

Uma história que fecha um ciclo, apesar de ser um livro independente dos demais lançados, com várias mensagens importantes de aprender com nossos erros, amizade, confiança, apoio familiar e amor.





8 comentários via Blogger
comentários via Facebook

8 comentários

  1. Eu já li resenhas de outros volumes e até desse mesmo e adorei, cada vez mais fico curiosa com essa leitura, espero em breve poder ler tudo. Parabéns pela bela resenha.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Karine!
      Espero que realize essa leitura em algum momento. Os d-bags fizeram bastante a diferença.
      Beijos!

      Excluir
  2. Oi, tudo bem? Essa série até que me cativa, por ser ambientada no meio da música, mas confesso que o personagem não é algo que eu iria gostar. E eu não sei como é que uma mulher pode achar o comportamento imprevisível masculino sexy, honestamente. Eu tenho muitas ressalvas para esse tipo de gênero, pois vejo muita reprodução de machismo. Então, não sei se algum dia vou ler os livros dessa série. Eu até acho ok os palavrões e as cenas de sexo, desde que realmente agreguem a trama. Às vezes são mesmo desnecessários.

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Camila!
    A Editora Valentina tem tantos livros que fico babando, que tudo que eu desejo é arrumar logo um money pra poder comprar kkk Não conhecia muito dessa série, e mesmo dizendo que esse é um livro independente, acho que eu não conseguiria ler sem ler os demais. Espero ter a oportunidade de o fazer, mesmo com os pontos negativos que apontou.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Não conhecia, mas livros em séries não funciona muito comigo e também tô um pouco cansada de romances românticos.
    Parabéns pela resenha. Bjs

    ResponderExcluir
  5. Não conheço a trilogia Rock Star, mas sempre vejo algumas resenhas sobre os livros e fico bem curiosa. Tenho pra mim que me sentiria como você em relação a imaturidade de um personagem com uma filhinha em jogo e tudo que é em excesso me incomoda. Mas que bom que no geral foi uma boa leitura, não sei se eu daria tantos corações a esse livro, mas ainda sim quero ler.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Camila, Giffin foi um personagem que me deixou em cima do muro ao longo da trilogia. Será interessante ler sua história.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  7. Oi Camila, tudo bem?
    Estou com esta serie desde o ano passado para começar a ler, mas até agora nada. Sempre acabo passando outro na frente. Resolvi ler por indicação de uma amiga que tem um gosto literário muito parecido com o meu.
    O ruim das séries é que sempre terá um ou mais livros que não nos agradam. E as vezes acontece de só o primeiro ser bom e o restante mais do mesmo. Vamos ver quando iniciar a leitura o que vou achar!
    http://colecionandoromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir