Resenha: A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard - Editora Seguinte

Título: A Rainha Vermelha - #1
Autora: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Ano: 2015
Páginas: 422
Onde Comprar: AMAZON 
Sinopse:


O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.
Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?
Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe - e Mare contra seu próprio coração.


Com o lançamento de Tempestade da Guerra, último livro da série, resolvi que era a hora de começar a leitura. Por ser um gênero que leio bem pouco, quis pegar pra ler em sequência, em uma tacada só porque certamente iria esquecer algumas coisas e me perder na narrativa nos próximos volumes. 

A Rainha Vermelha, traz como peça principal uma jovem chamada Mare Barrow. Morando em Palafitas com sua família, fazem parte dos vermelhos, pessoas consideradas abaixo dos prateados e por isso são usados nas guerras, para os piores tipos de trabalho e vivem em condições bem precárias. Devido essa necessidade que a família passa, Mare está sempre perambulando pela cidade batendo carteiras e objetos de valor que possa lhe render algum dinheiro para ajudar em casa e junto com Mare sempre teremos o inseparável Kilorn, seu amigo e grande auxiliador nos furtos. Seus pais não aceitam, mas é o que ela sabe de melhor fazer. 

"Esta é a verdadeira distinção entre prateados e vermelhos: a cor do sangue. Esta única diferença os torna mais fortes, mais inteligentes e melhores que nós."


No outro lado dessa divisão de classes, temos os prateados, considerados o topo da cadeia. São nobres, fortes, carregam uma legião de poderosos e habilidosos soldados. Mas mesmo passando a ideia de serem tão poderosos e capazes de derrotarem o inimigo, existe uma batalha na qual temem e tentarão de tudo para neutralizar os ataques da Guarda Escarlate. 

A cidade está em guerra com Lakeland e os vermelhos são cada vez mais recrutados para se unirem as batalhas, tudo isso só faz aumentar o número de mortos e principalmente retira os jovens de seus lares. 

“Isto não é um conto de fadas, nem mesmo um sonho. É um pesadelo. Vou passar o resto da vida presa, forçada a ser outra pessoa. Forçada a ser um deles. Um fantoche. Um espetáculo para manter o povo feliz, quieto e oprimido.”


Mare sente falta de seus irmãos que estão na guerra e o alento vem através das cartas de Shade, seu irmão que permanece em batalha. Com isso. São três irmãos fora de casa e como ela não se vê com um futuro promissor, a esperança recaí sobre Gisa, uma doce e habilidosa costureira. A cada dia que passa, aproxima-se a data de Kilorn e Mare serem convocados para a guerra, mas eles farão de tudo para fugirem da cidade, porém o preço a pagarem pra saírem sem segurança é muito alto e em uma tentativa frustrada de conseguir o dinheiro para se salvarem, uma pessoa atravessa seu caminho mudando completamente o rumo dessa história. 


“Muitos vibram em acordo. Precisei de toda a minha força para não pular em cima desses covardes que jamais estarão na frente de batalha ou enviarão seus filhos para o combate. A guerra prateada deles é paga com sangue vermelho.”

Convocada para comparecer ao palacete real, Mare que até então não tinha nenhuma perspectiva de vida, passa a integrar o quadro de funcionários e trabalhar com os prateados. E a partir daí muitas coisas acontecem, Cal é o príncipe e futuro herdeiro do trono e quando Mare percebe quem ele é fica boquiaberta, além disso, uma inesperada descoberta ocorre e suas habilidades até então desconhecidas aparece e ela passa a fazer parte da corte, sendo prometida ao filho mais novo, Maven. 

Desesperada com o rumo e a reviravolta que sua vida deu em apenas um dia, Mare passa a se chamar Lady Mareena Titanos e herdeira da Casa Titanos. Mas como isso seria possível, já que ela é uma vermelha e tem poderes? E como não ceder as imposições e aos planos dos reis para salvar sua família da guerra e dos terrores da miséria. 

Mareena passa a ter aulas na corte e tentar absorver o máximo que pode em sua estadia em Norta. Seu poder está cada dia mais forte, mas não sabe em quem confiar. Confusa, em um ambiente repleto de traições, disputas e controle que parece sufocante a cada dia seu consolo passar a ser as aulas com Julian, que acaba sendo o sopro de leveza e ao mesmo tempo de sabedoria para essa vermelha, mas sua sede de justiça poderá cegar seus olhos e colocar não só a si, mas tantas vidas em perigo quando toma as atitudes erradas. 

Fazendo um balanço dessa primeira leitura, fiquei bem satisfeita com o rumo que a trama tomou. Não sou uma conhecedora de muitas distopias, mas o pouco que li já deu pra perceber que a autora tem várias referências de outras obras aqui dentro dessa leitura e o tempo todo pensava em A Seleção e Crônicas de Gelo e Fogo. 

O início da trama pode ser um pouco lento devido a quantidade de informações e sobre tantas Casas que diferenciam as famílias, confesso que fiquei com receio de não me adaptar com tantos nomes, mas depois a narrativa engrenou e fluiu de forma rápida. 

Os personagens são bem interessantes e dinâmicos, mas não vi nenhuma surpresa quanto ao desfecho, até porque não demorei a sacar a intenção de alguns personagens que no final acabaram sendo confirmadas as suspeitas. Talvez esperava um pouco mais de sagacidade por parte da Guarda Escarlate, que se mostrou bastante ingênua e não ficou condizente com o que passaram no início da trama. No entanto gostei do que foi proposto até o momento e espero que a leitura continue fluida no segundo livro, Espada de vidro.



A capa é linda, a fonte confortável para leitura e mesmo tendo um número considerável de páginas achei o enredo bem aproveitado. Uma leitura que traz à tona questões como: miséria, fome, revolta, diferenças sociais entre casas e povos, luta pelo poder, traições e principalmente todas as nossas atitudes podem levar a consequências drásticas. 

Claro que algumas pontas soltas foram deixadas e isso é normal por se tratar de uma série. Espero que sejam respondidas ao longo dos livros. 

A rainha vermelha, é uma distopia YA repleta de aventuras e incertezas, com diálogos interessantes e reveladores, ficamos em tensão em grande parte da trama, esperando o próximo passo e a cada máscara caída nessa luta pelo poder.







12 comentários via Blogger
comentários via Facebook

12 comentários

  1. Oi, Camila!

    Meu desejo por essa série apareceu recentemente, quando vi que a autora foi confirmada na Bienal do Livro de SP. Adoro distopias! Fico feliz que você sentiu fluidez na história, pois sou um pouco lenta pra pegar começos mais longos e que demoram um pouco mais pra se desenvolver devido às apresentações, mas acreditarei quando você diz que a narrativa fica melhor com o decorrer do livro. Espero que eu goste da história tanto quanto você, pois minhas expectativas estão bem altas. Ah, e gostei também das citações que você escolheu, me passaram perfeitamente algumas emoções da obra! :-)

    Um beijo!
    Débora Castequini
    http://www.amorlivronico.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi.
    Tenho os primeiros livros dessa série aqui em casa, mas ainda não li. Adoro distopias, então acho que esse livro é uma ótima pedida para mim. Assim como gostei muito de a seleção e GOT.
    Essa coisa de ser um mundo novo e terem muitos nomes e casas a serem lembrados eu também acho um pouco complicado nesse gênero, até engatar a leitura. Mas o importante é que deu certo.
    Adorei a resenha e fiquei com mais vontade de iniciar a série, só que quero ter todos os livros em mãos antes disso, porque também quero ler de uma tacada só.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem?
    Eu li só o primeiro e foi bem no lançamento, ai fiquei sabendo que iria demorar um ano para o segundo lançar e decidi terminar a série. Só comprei o segundo, não comprei os spin-off e o restante, então, vou voltar a pegar nela agora que o último está lançando. Eu gostei muito, é uma mistura de A Seleção com Jogos Vorazes, mas um pouco melhor que Divergente. Espero gostar de toda série! Amei a resenha, beijos!

    ResponderExcluir
  4. Tenho um colega que é louco nessa série, mas eu infelizmente não me sinto curiosa a ler os livros. Mas fiquei feliz em saber que você ficou satisfeita com o rumo dessa distopia, mesmo que o desfecho não tenha te surpreendido. Eu continuo passando a dica, mas espero que a continuação responda as perguntas que ficou nesse volume.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá, gostei bastante da história, me lembra bastante GoT com isso de casas e tudo mais. Histórias distopicas assim me agradam muito, consigo criar uma imersão grande com o mundo da história se ela é bem contata e parece ser o caso nesse livro. Vou por na minha lista e espero que eu goste. Bjs !!

    ResponderExcluir
  6. Olá, ficou muito boa sua resenha. Já li A rainha vermelha na época do lançamento mas ainda não tive oportunidade de ler os demais da série, me lembro de ter gostado da trama e, ao contrário de você, ter me surpreendido bastante com os desfechos e atitudes de alguns personagens.

    ResponderExcluir
  7. Oie!
    Esse primeiro é uma reunião de clichês de todos os livros que já li, mas mesmo assim, eu gostei de como a história evoluiu.
    Ainda não li o último livro, mas estou curiosa para saber do desfecho.
    Acredito que vá gostar dos próximos livros.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  8. Oii.
    Tem um tempão que eu estou querendo ler essa série da Rainha vermelha, mas estava esperando ser lançado todos os livros. Prefiro ler quando todos já estão lançados, fico muito irritada com a demora das editoras de publicar as continuações.
    Agora que já tem um punhado de livros lançados, vou começar a ler esse.
    Amei a resenha.
    Bjs Mary.

    ResponderExcluir
  9. Olá! Tudo bom?

    Conheço pessoas que são fanáticas por essa série e sempre me indicam a leitura, e confesso que tenho uma grande vontade de lê-la. Também acho capa linda e fico feliz que gostou porque também não sou muito de distopias haha O livro parece ser muito bom com todos esses temas citados, e o fato de ser uma leitura fluida só me atrai mais ♥

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá Camila,
    quando li esse livro me apaixonei completamente, não leio distopias com muita frequência mas volta e meia me permito dar uma chance ao gênero e sempre tenho tido boas experiências. Apesar de ter gostado muito deste primeiro livro não consegui desenrolar a leitura do segundo e acabei me atrasando com os livros da série, porém agora que o último volume está para chegar aqui em casa, me propus a reler este e seguir com a leitura dos demais, e estou super ansiosa para ver como essa experiência irá se desenrolar pela segunda vez.

    Abraços!
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir
  11. Li este livro em 2016 e confesso que não achei essa coca-cola toda não. Achei muitos elementos parecidos com Jogos Vorazes, Game of Trohns... E isso me irritou. Não segui com a série, mas sei que ela tem uma legião de fãs.
    beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi Ca!

    Tudo bem? Faz MUITO tempo que li A Rainha Vermelha, ele era um lançamento na época e confesso que gostei bastante, mas hoje em dia eu não sei se em uma releitura me sentiria assim tão apaixonada pela história porque meu gosto mudou bastante nesses últimos anos.

    Fico feliz que tenha gostado tanto do livro, ainda não sei se vou continuar a série (parei no segundo ou no terceiro volume), mas espero que continue empolgada.

    Beijinhos - Jessie
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir