Resenha: Graça e Fúria - Tracy Banghart - Editora Seguinte

Título: Graça e Fúria #1
Autora: Tracy Banghart
Editora: Seguinte
Ano: 2018
Páginas: 304
Onde Comprar: AMAZON 
Sinopse:


Duas irmãs lutam para mudar o próprio destino no primeiro volume de uma série de fantasia repleta de romance, ação e intrigas políticas. Em Viridia, as mulheres não têm direitos. Em vez de rainhas, os governantes escolhem periodicamente três graças — jovens que viveriam ao seu dispor. Serina Tessaro treinou a vida inteira para se tornar uma graça, mas é Nomi, sua irmã mais nova, quem acaba sendo escolhida pelo herdeiro. Nomi nunca aceitou as regras que lhe eram impostas e aprendeu a ler, apesar de a leitura ser proibida para as mulheres. Seu fascínio por livros a levou a roubar um exemplar da biblioteca real — mas é Serina quem acaba sendo pega com ele nas mãos. Como punição, a garota é enviada a uma ilha que serve de prisão para mulheres rebeldes. Agora, Serina e Nomi estão presas a destinos que nunca desejaram — e farão de tudo para se reencontrar.




A história nos apresenta duas irmãs que vivem na cidade de Lanos com sua família, porém, de tempos em tempos o Rei de Viridia faz uma espécie de seleção e elege sua favorita para ser a escolhida para viver no castelo. 

Em uma Era onde o machismo e a opressão imperam, as mulheres não têm a maior relevância a não ser para as habilidades maçantes como bordados, bailes. São proibidas de terem acesso a conhecimento, muito menos ler e escrever. 

“As mulheres de Viridia eram oprimidas porque os homens tinham medo delas.”

Agora uma nova seleção irá acontecer e os rumores de que ao invés do Rei, a que melhor se destacar vai poder ser a nova Graça do príncipe Malachi, herdeiro do trono. 

Serina Tessaro, sempre treinou para ser uma Graça. Sua beleza, habilidades com dança, costura, além de todos atributos que são necessários para ser da realeza, a faz ser a candidata perfeita se comparada com sua irmã Nomi. 

Nomi Tessaro, por sua vez, nunca suportou esses trâmites e por ser mais nova, sempre aproveitou as oportunidades para ler história e aprender mais com seu irmão Renzo e manteve esse segredo guardado dentro de sua família. 

Acompanhando sua irmã, Nomi é o que eles chamam de aia, uma dama de companhia. A contragosto, Nomi não vê a hora de tudo isso acabar, afinal se tem uma coisa que ela não suporta são as diretrizes ditadas pelos homens no poder e isso a faz se revoltar com essa seleção absurda e o fato das mulheres não poderem ter voz em meio a sociedade. 

“As mulheres já tinham sido poderosas naquele país.. Talvez pudessem voltar a ser. Sua mente girava, desfiando linhas delicadas e perigosas de possibilidade. A culpa e a dor da perda a impulsionavam. E, sob elas, havia a fúria, sempre queimando. Mulheres não eram seres inferiores.”

Sua rebeldia e impulsividade acaba colocando essas duas irmãs em uma situação completamente contrária da qual poderiam esperar. 

Serina acaba sendo colocada de lado e fica perplexa com a notícia do herdeiro ter escolhido Nomi como uma Graça, ao invés dela, e essa inversão de papeis seria apenas o começo de um tempo bem nebuloso na vida dessas irmãs. 

Nomi ama ler e assim que tem oportunidade invade a biblioteca do rei e pega um livro, mas quando Serina encontra é tarde demais, sendo acusada de saber ler e ter roubado, é enviada para Monte Ruína, uma prisão onde para se ter alimentos depende de sair ilesa de combates extremamente sanguinários. 

“Tudo naquele mundo, até as prisões, colocavam as mulheres umas contra as outras enquanto os homens só observavam.”

Enquanto Serina tenta se manter viva em Monte Ruína, Nomi por outro lado, começa a se ludibriar pela presença do irmão de Malachi e essa rebelde irmã comete um grande e irreparável erro que mudará o curso de toda a história. 

“— Acho que as mulheres nesta prisão, neste país, vão se rebelar um dia. Meu pai costumava dizer que a opressão não é um estado final. É um peso que se carrega até que não se possa mais. E ele então é removido. Não sem esforço, não sem dor. Mas meu pai acreditava que toda opressão sempre, sempre seria combatida e superada. E não era o único tentando mudar as coisas.”


Assim que comecei a encaixar as peças da trama, fui levada a sensação de estar lendo A Rainha Vermelha com uma mistura de A Seleção. 

Na capa já temos uma ideia de que as coisas iriam se complicar e que os destinos traçados para essas irmãs seriam completamente contrário ao que almejavam. 

No entanto, a irmã que parecia ser mais frágil e que possivelmente seria engolida na primeira batalha grandiosa de sua vida, me surpreendeu com seu crescimento, suas descobertas e não parou por aí. Já Nomi que tinha tudo para ser forte e perspicaz, decepciona ao ser iludida. E terá que correr atrás do prejuízo para reparar seus erros no próximo livro. 

Não conhecia a escrita da autora e fiquei bem contente em como as histórias das irmãs foram conduzidas. Os capítulos intercalados com as histórias paralelas das irmãs dá a trama uma fluidez a narrativa e fica impossível largar a leitura pela curiosidade do que irá acontecer a seguir. Já tinha um bom tempo que uma leitura desse gênero me prendia assim e que me vi lendo tão rapidamente uma fantasia com personagens jovens, cheias de vigor e clamando por mudanças. 

Temos um pouco também de romance, mas ele é discreto sem deixar de ser envolvente. Mas sem dúvidas o grande apelo do livro está em modificar um sistema que apavora os homens no poder. A autora não poupa em enaltecer a importância das mulheres, de serem ouvidas. Do quanto resistir e insistir pode mudar o curso de um sistema opressor e extremamente abusivo. 

Com um final de deixar o leitor querendo mais, sério, quase tive um treco ao sentir que as páginas estavam acabando, que as reviravoltas estavam em seu auge e que muita coisa ainda precisava ser esclarecida. Espero que a editora não demore a lançar o segundo volume, pois a curiosidade está grande em conferir o desfecho e o destino que a autora reservará para os personagens. 

Graça e Fúria, foi lançado pela editora Seguinte e sua edição está linda demais. Dá gosto de ter livros assim na estante, que são ótimas leituras, mas também são bem cuidados e com capas bem elaboradas. 

Uma trama com muitas reviravoltas, personagens fortes. Cheio de representativa feminina expressada ao longo da história e por mais que para alguns possa ser clichê pelo crescimento de enredos que falam sobre a importância da luta das mulheres, empoderamento, a história nos mostra um lado reflexivo bem legal nessa jornada intensa sobre a igualdade, que de forma alguma pode parar.







8 comentários via Blogger
comentários via Facebook

8 comentários

  1. Oi, Carla!
    Confesso que ainda estou meio dividida se leio ou não esse livro, mas sua resenha me ajudou a ficar pendendo para o "ler logo" haha Tenho gostado muito dessa leva de livros que focam na importância das mulheres terem voz e serem ouvidas, acho que é um momento mais do que necessário que tenhamos livros assim. A história dessas duas irmãs parece propícia a grandes crescimentos nas duas - e pelo o que você falou, Nomi já precisa correr atrás do prejuízo - e deve ser uma jornada e tanto acompanhar as duas amadurecendo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Vitória!
      A leitura e as irmãs me surpreenderam muito. Comprei o livro pela capa e me encantei com os temas abordado pela autora.
      Não vejo a hora de ler a continuação.
      Espero que você goste e se envolva com essa leitura.
      Beijos!

      Excluir
  2. Oi, Camila.
    A premissa dese livro me deixa completamente interessada na leitura e a sua resenha só me deixou ainda mais curiosa. Eu acho a capa maravilhosa e essa sua foto está tão linda, ficou um charme só. Eu adoro livros que quando terminam a gente fica na expectativa de ler logo a continuação.

    ResponderExcluir
  3. Eu leio várias resenhas desse livro e até agora não peguei nenhuma que não tivesse gostado. Gostei dessa comparação de A rainha vermelha e A seleção, gosto de ambas séries. Não vejo a hora de conferir essa leitura!
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi, Camila! Tudo bem?
    Eu estou louca para ler esse livro, desde que foi lançado. Apesar de ter essa comparação com A rainha vermelha e A seleção, eu tenho a impressão de que esse livro deve ser ainda melhor. Achei a premissa do livro muito interessante, principalmente pela parte política, com esse sistema machista e opressor. Já estou ansiosa para ver as mulheres dessa história se rebelando e mudando esse sistema.
    Adorei a resenha e acho que esse livro será uma das minhas primeiras leituras do ano que vem.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro ainda e confesso que não leio muito histórias desse tipo, sabe? Mas a premissa é interessante e gostei de saber que a autora intercalou bem as histórias das irmãs. Também gostei muito de ver que a autora aborda o machismo.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  6. Quando anunciaram o livro eu fiquei bem animada para ler, com o tempo a vontade acabou diminuindo, mas adorei saber que a trama apresenta personagens fortes e reviravoltas, gosto bastante quando isso acontece, e saber dessas informações me animei novamente
    bjos

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bom?
    Li recentemente algumas resenhas desse livro e a cada nova opinião fico ainda mais tentada em realizar a leitura. A temática me chama muito a atenção, principalmente por ser desenvolvida em uma sociedade tão opressora para as mulheres. Esse pano de fundo, juntamente com essa personagem que tinha tudo para ser frágil, mas surpreende e tem um crescimento incrível só fizeram com que tivesse ainda mais curiosidade em ler. Dica mais que anotada!
    Beijos!

    ResponderExcluir