Resenha: A Mulher Com Olhos de Fogo - Nawal El Saadawi - Faro Editorial

Título: A Mulher com olhos de fogo (O Despertar Feminista)
Autora: Nawal El Saadawi
Editora: Faro Editorial
Ano: 2019
Páginas: 160
Onde Comprar: AMAZON 
Sinopse:

*Livro recebido em parceria com a editora.

Esta ficção é baseada no relato verdadeiro de uma mulher que espera sua execução em uma prisão no Egito. Sua história chega até a autora, que resolve conhecer Firdaus para entender o que levou aquela prisioneira a um ponto tão crítico de sua existência. “Deixe-me falar. Não me interrompa. Não tenho tempo para ouvir você”, começa Firdaus. E ela prossegue contando sobre como foi crescer na miséria, sua mutilação genital, ser violada por membros da família, casar ainda adolescente com um homem muito mais velho, ser espancada frequentemente, e ter de se prostituir... até que, num ato de rebeldia, reuniu coragem para matar um de seus agressores, levando-a à prisão. Esse relato é um implacável desafio a nossa sociedade. Fala de uma vida desprovida de escolhas, mas que em meio ao desespero encontra caminhos. E, por mais sombrio que isso possa parecer, sua narrativa nos convida a experimentar um pouco dessa liberdade encorajadora através das transformações internas de Firdaus. O que acontece com ela é o despertar feminista de uma mulher.




Firdaus sempre teve uma vida difícil. Fadada a conviver em uma sociedade onde o valor de uma mulher é tão baixo, ela se vê indo de um lugar para o outro na tentativa de sobreviver com o que lhe resta de sanidade. 

“Eu sabia que mulheres não se tornavam chefes de estado, mas eu sentia que não era como as outras mulheres, nem como as outras garotas ao meu redor, que só falavam de amor ou de homens. Porque esses eram assuntos que eu nunca mencionava. De qualquer maneira, eu não estava interessada nas coisas que ocupavam as mentes delas, e o que parecia ser importante para elas me dava a impressão de ser trivial.”

Depois de várias recusas em receber qualquer pessoa, no dia de sua execução em uma prisão no Egito, ela decide abrir seu coração e contar detalhadamente toda a sua trajetória até a hora de ceifarem sua vida. 

Seus pais morreram precocemente e com a ajuda de seu tio pode ter um pouco de estudos. Ao longo dos anos vemos, Firdaus sente o fardo de não ser de uma família com títulos, mas a sua beleza chama atenção e por isso desde nova fora abusada de inúmeras formas, a começar por seu tio. 

“Meu tio era um xeique respeitado, bem versado nos ensinamentos da religião, e que, portanto, não era possível que ele tivesse o hábito de bater na sua mulher. Ele retrucou que eram justamente os homens versados na sua religião que batiam nas esposas. Os preceitos da religião permitiam tal punição. Uma mulher virtuosa não devia se queixar do marido. O dever dela era a perfeita obediência.”

Obrigada a se casar com um senhor que já passava dos sessenta anos contra sua vontade para não morrer de fome, aguentou até onde conseguiu as incontáveis surras de seu marido e para sentir um pouco mais de liberdade precisou se prostituir. 

Determinada, Firdaus tentou seguir trabalhando sem precisar se prostituir, já que tinha um diploma, mas as mulheres não tinham voz, salários baixíssimos e a vida se tornava cada vez mais complicada e por outras vezes decidiu voltar para a vida de prostituição, pois foi onde conseguia um pouco mais de conforto para viver. Só que mesmo tendo um pouco desse controle, Firdaus já estava farta de anos de abusos, decepções, espancamentos e de homens tentando usurpar o pouco que ainda lhe restava, culminando em um ataque de fúria e ao mesmo tempo de prazer, essa mulher tida como um perigo para sociedade, assassinou seu cafetão Marzouk.

“Eu não estava destinada a ver minhas esperanças se tornarem realidade. Porque por mais que tentasse, por mais que me sacrificasse, eu não passava de uma pobre e insignificante trabalhadora. A minha virtude, como a virtude de todas as pessoas que são pobres, não poderia jamais ser considerada uma qualidade, ou um trunfo. Na verdade era vista como um tipo de estupidez, ou de ingenuidade, e desprezada ainda mais do que a depravação ou vício.”


Quando vi os lançamentos da Faro Editorial para o mês de março, não pensei duas vezes em solicitar esse livro. 

Que relatos amigos! Que relatos... 

Chocante, impactante, um misto de sentimentos. Somos levados a incredulidade de tais acontecimentos que uma mulher é obrigada a viver não só em anos atrás, mas infelizmente sabemos em muitos países coisas piores ainda acontecem. E, é por isso que esse livro é tão necessário para leitura, pois não só traz a vontade de lutarmos por igualdade entre os povos, mas o desejo de mudar o destino de tantas outras mulheres que desde pequenas veem sua inocência, sonhos e vozes serem abafados por não terem amparo das leis. 

Sobre a edição: Com alto relevo no título, a capa, contracapa estão lindas. Todo projeto gráfico está impecável. Fonte confortável para leitura. 

Dividido em três partes, temos o relato da pesquisadora antes e depois do impacto de Firdaus em sua vida, mas a narrativa que prevalece é a da condenada. 

O livro é curtinho, com menos de duzentas páginas. Foi uma leitura muito fluída apesar do tema e dos relatos intensos. Confesso que principalmente no período que Firdaus está casada, chega a ser nojento imaginar tudo o que teve que passar. 

Esse é um tipo de livro que se deixar ficamos divagando até perder de vista, por isso, fica o meu apelo para que leiam, sintam e reflitam sobre a vida dessa mulher que fez de tudo para ter sua voz, ser digna em meio a uma sociedade completamente cruel e machista e conseguir uma vida em paz. Mesmo que para tal fim só seria possível através de sua morte.





14 comentários via Blogger
comentários via Facebook

14 comentários

  1. Cara, eu vi uns comentários super legais sobre esse livro. Eu gosto muito de livros que são ficção baseada num relato real.
    Eu quero muito ler esse livro, a minha amiga leu e ela ficou muito impactada, ela falou que é muito real e muito pesado e a narrativa dele parece tão real que você quase ouve a narração. Eu tô muito ansiosa pra ler esse livro!

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o livro, mas fiquei instigada a fazer essa leitura e só pela resenha já imagino o quanto ela é chocante, realmente é uma leitura necessária. Quero conhecer a história de Firdaus e refletir sobre tudo que sou, que tenho e que ainda preciso alcançar como mulher. Sugestão anotada.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Caramba, eu ainda não conhecia esse livro, mas pelo o que tu disse parece ser uma leitura bem cruel e necessária. Adorei tua dica!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  4. Oi, Camila!
    Andei sumida, mas estou de volta. E olha que coisa, eu terminei de ler esse livro ontem. Estava tão presa nele que não consegui ler mais nada e chegava em casa do trabalho ansiando por devorar mais algumas páginas. Sem dúvidas, uma leitura impactante. Acho que eu cresci um pouco mais com essa leitura e, nossa, acho que eu mudei, assim como o que aconteceu com a pesquisadora. Adorei a sua resenha, passou exatamente o que senti ao ler.

    ResponderExcluir
  5. Olha, adoro os livros da Faro. Acho a qualidade deles no material físico do livro sensacional, mesmo sendo simples. Sobre a história do livro, eu meio que não dou conta desse tipo de leitura. Eu fico ora angustiada, ora revoltada... Não dá certo! Não gosto de ler pra me sentir assim.
    Porém, como é válido esse tipo de literatura na atualidade, né? Que arraso.
    Grande beijo e excelente resenha!

    ResponderExcluir
  6. Oi Cami, tudo bem? Que saudades de passar por aqui! Eu nao conhecia esse lançamento da Faro e sinceramente tô maravilhada! Imagino como deva ser um relato realmente emocionante. Obrigada por essa dica tão maravilhosa!

    ResponderExcluir
  7. Desde que vi você falando desse livro lá no Ig eu fiquei curiosa com ele, acho a premissa muito interessante e com temas totalmente atuais. Não li ainda, mas sei que é um livro que merece ser lido e espero não demorar muito para ler porque estou ansiosa!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Camila! Tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro, mas acho que não é o estilo de leitura que ando procurando. Achei a premissa interessante e atual, porém, trata um assunto muito pesado e doloroso. Não consigo nem imaginar o quanto deve ser difícil acompanhar os abusos retratados, ainda mais sabendo que muitas mulheres vivenciam situações assim.
    De qualquer forma, adorei ler sua resenha e fiquei muito feliz por ver o quanto você gostou da leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem? Fiquei bem interessada na história. Quando eu estava na faculdade, li muitos livros sobre o oriente médio, mas acabei parando. Este me pareceu lindo e doloroso ao mesmo tempo, me encantou muito. Ainda não li nada dessa editora, mas adoraria começar a ler algo dela. Obrigada pela dica!

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. gente, como eu nao li e nem conhecia esse livro ainda??
    eu AMO histórias reais e agora fiquei louca pra ler esse livro depois da sua resenha
    reslmente deve ser uma história impressonante

    ResponderExcluir
  11. Ainda não conhecia esse livro, mas a premissa é bem bacana! Gosto muito de histórias assim, a capa também é muito bonita ♥️♥️🌻 vou adicionar aos desejados

    ResponderExcluir
  12. Ola Camila, tudo bem?

    Cara, assim como você, não resisti ao ver esse lançamento da Faro e a Ana está lendo. Ela iniciou o livro por agora e pela sua resenha posso ver que ela irá realmente gostar muito dessa obra assim como você. Essa edição de fato está simplesmente maravilhosa!

    beijos

    ResponderExcluir
  13. Eu achei a capa do livro muito diferente, gostei da sinopse e há muito tempo não leio na da da Faro e esse livro já tem uma temática que aprecio enquanto leitora.

    ResponderExcluir
  14. essa leitura me impactou bastante, não atoa ainda to no processo de conseguir escrever a resenha, mas uma das palavras que você usou eu também utilizo: impactante, essa história essa autora essa personagem essa vida..

    ResponderExcluir