Resenha: A Lista do Ódio - Jennifer Brown - Editora Gutenberg

Título: A lista do ódio 
Autora: Jennifer Brown
Editora: Gutenberg
Ano: 2019
Páginas: 336
Onde Comprar: AMAZON 
Sinopse:


E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama?
O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista das pessoas e das coisas que ela e Nick odiavam. A lista que ele usou para escolher seus alvos.
Agora, depois de passar o verão reclusa, se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio. Assombrada pela lembrança do namorado, que ainda ama, passando por problemas de relacionamento com a família, os ex-amigos e a garota a quem salvou, Val deve enfrentar seus fantasmas e encontrar seu papel nessa história em que todos são, ao mesmo tempo, responsáveis e vítimas.
A lista do ódio, de Jennifer Brown, é um romance instigante; leitura obrigatória, profunda e comovente.
“Esta edição contém o spin-off Diga Alguma Coisa”.




Valerie Leftman é uma das sobreviventes do massacre que aconteceu em sua escola. Após ser levada para o hospital, aos poucos vai tentando se recuperar do susto e da sequência de pânico e terror protagonizada por seu namorado Nick Levil. 

"A Lista. Ele está pegando as pessoas que estavam na Lista do ódio."

Por ser a pessoa mais próxima de Nick, a sociedade começa aponta-la como cumplice dele e as evidências durante a investigação vão apontando nessa direção, uma vez que o ponto de partida para todo esse horror foi por causa da lista do ódio com nomes de colegas, professores e até familiares criados por Valerie.

“As pessoas fazem isso o tempo todo – acham que “sabem” o que está se passando na cabeça de alguém. Isso é impossível. É um erro achar isso. Um erro muito grande. Um erro que, se você não tiver cuidado, pode arruinar sua vida.”

Ao longo das partes em que se divide a história, vamos acompanhar a relação da jovem com o atirador, a dinâmica deplorável e tóxica por parte de sua família, a negligência e os constantes bullying ocorridos na escola, o que levou de fato que todos esses eventos desencadeassem, a reação dividida da sociedade e dos alunos da escola e a luta de Valerie para reconstituir o fatídico dia já que sua mente tem lhe dado apenas alguns fragmentos, mas que se mostra promissor com a ajuda de seu terapeuta. E será nessa análise retrospectiva que a jovem começará a questionar suas ações e entenderemos qual a sua relação com essa tragédia. 

"— Sabemos que podemos mudar a realidade — declarou. — É difícil, e a maioria das pessoas nem tenta fazer isso, mas é possível. Você pode mudar a realidade do ódio ao se abrir para uma amiga. Ao salvar uma inimiga. (…) — Contudo, é preciso ter vontade de ouvir e de aprender para mudar a realidade. Principalmente ouvir. Ouvir de verdade."


Assim que li Mil Palavras, embarquei logo nessa leitura. Já tinha visto ótimos comentários e só pude atestar o quanto Jennifer Brown não poupa o leitor ao trazer temas fortes, delicados e muito necessários. 

Através de fichas ao longo dos capítulos, temos informação sobre os personagens mortos no tiroteio, como eram no ambiente escolar e porque entraram na tal lista. 

É importante ressaltar que esse não é o tipo de história fácil de se ler, a narrativa é forte, impactante e pode conter gatilhos. Assim, vemos o quanto é necessário o diálogo, o olhar atento dentro do que acontece na escola, o bullying praticado pelos alunos, a violência e o ódio em demasia e o quanto isso pode influenciar e marcar para sempre a vida dessas e de tantas outras pessoas. 

A lista do ódio foi relançando pela editora Gutenberg e ao final da história temos um bônus, o conto “Diga alguma coisa”, onde nos coloca para conhecer através de David um relato impactante e surpreendente sobre o amigo do Nick, além de complementar a trama principal. 

Que a autora virou uma das minhas preferidas, disso não tenho dúvidas. A lista do ódio é uma obra que poderia ser usada como paradidático nas escolas tamanha reflexão que causa sobre essa fase escolar tão legal, mas que infelizmente tem sido um ambiente cada vez mais difícil para pais, professores e alunos. 

Uma história que me fez derramar algumas lágrimas, principalmente no cerimonial. Com personagens bem construídos, complexos. Mas nem tudo pode ser considerado caos. É possível se deparar com cenas de amizade, perdão, esperança, com grandes mensagens e lições de vida que certamente deixará várias sementinhas em seu coração.



0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário