Resenha: A Garota do Penhasco - Lucinda Riley - Editora Arqueiro

Título: A Garota do Penhasco 
Autora: Lucinda Riley
Editora: Arqueiro
Ano: 2019
Páginas: 416
Onde Comprar: AMAZON 
Sinopse:

*Livro recebido em parceria com a editora.


Tentando superar um coração partido, Grania Ryan deixa Nova York e volta para a casa dos pais, na costa da Irlanda. Lá, na beira de um penhasco, em meio a uma tempestade, ela conhece Aurora Lisle, uma garotinha de 8 anos que mudará sua vida para sempre.
Apesar dos avisos da mãe para ter cuidado com os Lisles, Grania e Aurora ficam cada vez mais próximas, e ela passa a cuidar da menina sempre que Alexander, o belo e misterioso pai, precisa viajar a trabalho. O que Grania ainda não sabe é que há mais de cem anos o destino das famílias Ryan e Lisle se entrelaçam inexoravelmente, nunca com um final feliz.
Através de cartas antigas, Grania descobre a história de Mary, sua bisavó, e começa a perceber quão profundamente conectadas as duas famílias estão. Os horrores da guerra, o destino de uma criança, a atração irresistível pelo balé e amores trágicos vão deixando sua marca através das gerações. E agora Grania precisa escolher entre seguir em frente ou repetir o passado.
Alternando entre romance histórico e contemporâneo, A garota do penhasco é um livro sobre mulheres fortes, grandes sacrifícios e a capacidade do amor de triunfar sobre tudo.





Grania Ryan está em um momento frágil da vida. Após a perda de seu bebê, ela resolve sair de Nova York para passar um tempo com sua família na Irlanda. Os ares frescos do local que marcou sua infância pode ajudá-la a superar essa fase, mas será através de uma garotinha que ela observa próximo do penhasco que mudará de vez sua vida. 

“Era uma época mais sombria, em que se dava pouco valor à vida humana, em que a sobrevivência, na maioria das vezes, era tudo que importava.

Eu gostaria de dizer que aprendemos a lição.

Mas os humanos raramente olham para o passado até terem cometido os mesmos erros.”

Assim que se depara com Aurora, Grania se assusta com o cenário perigoso, mas o jeito alegre e independente dessa jovem faz nascer uma amizade. 

Aurora há quatro anos perdeu sua mãe Lily, que sofria com transtorno bipolar e esquizofrenia, quando não aguentou mais e se jogou do penhasco e passou a ser cuidada tendo apenas seu pai amoroso, Alexander Devonshire. Porém, ele está sempre precisando viajar a trabalho e vê em Grania uma oportunidade de deixar sua filha aos cuidados dela. 

“Tudo pode dar bastante errado, mas às vezes é preciso ter fé e confiar que talvez não dê. Na pior das hipóteses, você tentou, e acredito mesmo que isso é o melhor que podemos fazer. Porque a vida é curta e, como eu bem sei, quando se tem pouco tempo e se olha para o passado, não queremos ver arrependimentos.”

Logo que Kathleen, mãe de Grania, fica sabendo da possibilidade de sua filha aceitar ficar com Aurora naquela mansão, teme que situações similares do passado estejam prestes a acontecer e sua intuição lhe diz que dificilmente conseguirá parar esse entrelace das famílias pois Aurora e Grania se dão muito bem e Alexander demonstra gostar cada vez mais da presença de Grania. 

Então é chegado o momento de conta-la a trajetória dessa família que já perpetua em seus longos duzentos anos de muitos segredos, conflitos, dor e perdas, para que enfim, ela possa decidir que caminho deseja seguir.

“Por favor, se puderem, lembrem-se de mim e da história da minha família. É a sua história também, pois fala de humanidade.

E, acima de tudo, nunca percam a fé na beleza e na bondade da natureza humana.

Estão sempre presentes; é que às vezes é preciso procurar um pouco mais.”


Esse é um daqueles livros maravilhosos que todos deveriam ler. Desde que comecei a buscar conhecer a escrita da Lucinda Riley venho me surpreendendo a cada livro. 

Em uma mistura de romance trazendo fatos históricos, drama, um toque de fantasia, as narrativas que alternam entre passado e presente nos mostra tudo o que aconteceu ao longo da trajetória dessas famílias e passamos a conhecer personagens importantes, alguns nos fazendo morrer de amores, outros desejando um belo “já vai tarde”, além da interação de amizade e amor entre Aurora e Grania. 

Os temas abordados no decorrer da narrativa dão um tom dramático e muito realista para o período em que se passa a história, como guerras, a incerteza sobre quem está nos campos de concentração, dificuldades de lidar com traumas, a falta de conhecimento sobre algumas doenças e transtornos psíquicos, o luto, entre tantos outros. 

Em relação a Grania e Matt, senti que os motivos que a fizeram sair de Nova York foram um tanto fracos e alguns pequenos fragmentos ao final da história, mas em nada essas percepções atrapalharam a dinâmica da leitura, pelo contrário, me senti completamente presa ao enredo. 

Publicado em uma nova edição agora pela editora Arqueiro, a capa ganhou um toque mais sombrio que combinou demais com a história. 

A garota do penhasco é uma linda e emocionante história. Com personagens marcantes, a leitura é fluida e foi impossível não sentir os olhos marejados em diversas passagens do enredo. Uma trama repleta de lições e ensinamentos que certamente irá marcar o leitor. Ainda tenho outras leituras da autora que desejo realizar, mas posso dizer que esse sem dúvidas é o meu favorito até o momento.






0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário