Resenha: Oblivion Song: Canção do Silêncio - Robert Kirkman - Editora Intrínseca

Título: Oblivion Song: Canção do Silêncio #1
Autor: Robert Kirkman
Editora: Intrínseca
Ano: 2019
Páginas: 144
Onde Comprar: AMAZON 
Sinopse:

Anos atrás, 300 mil habitantes da Filadélfia foram transportados para Oblivion, uma nova dimensão aterrorizante que surgiu de forma inexplicável e destruiu áreas da cidade. Os desaparecidos tentam sobreviver enfrentando seres monstruosos em um ambiente inóspito e atordoante, marcado por raros momentos de calmaria.
O governo investiu muitos recursos em incursões para resgatar as vítimas, mas depois de dez anos as buscas foram encerradas. Mesmo lamentando a perda de entes queridos, a vida seguiu seu curso para grande parte da cidade, e monumentos, memoriais e museus foram erguidos em homenagem aos que se foram. No entanto, se depender do cientista Nathan Cole, ninguém vai ficar para trás. Nathan desenvolveu uma tecnologia extremamente instável que lhe permite visitar Oblivion todos os dias. Ele arrisca a própria vida em viagens solitárias, perigosas e muitas vezes infrutíferas na tentativa de resgatar sobreviventes. Cada vez que volta de lá, se mostra mais determinado. Mas o que Nathan procura? Por que não consegue resistir ao chamado de Oblivion, à canção silenciosa de um mundo prestes a ruir e a levá-lo junto?
Criador de The Walking Dead — série vencedora do prestigiado Eisner Awards —, Robert Kirkman retorna com seu talento para contar histórias de caos em cenários pós-apocalípticos. Oblivion Song: Canção do Silêncio narra o luto, os traumas e os limites impensáveis que ultrapassamos para consertar os erros do passado. Com o traço único de Lorenzo De Felici, o primeiro volume reúne os seis fascículos iniciais da série.




Há uma década atrás, a população da Filadélfia sofreu um baque quando 300 mil pessoas foram varridas da cidade e foram parar em outra dimensão chamada Oblivion. Um lugar cheio de criaturas horripilantes, com ameaças para todos os lados e principalmente, um local onde acredita-se que ninguém goste de habitar.

“A brisa, as criaturas ao longe, os insetos... Tudo se misturava. E nunca ouvi nada parecido desde então... Era como música.”
Quando o governo dá sinais de abandonar a caçada por habitantes em Oblivion, o cientista Nathan Cole faz de tudo para manter as buscas. Dia após dia, ele desbrava Oblivion e se nega acreditar que não tenha sobreviventes. E essa chama reacende quando um casal é resgatado por ele, porém as autoridades já não querem gastar recursos para uma nova jornada baseada nas informações desse casal. 

Mas Nathan não pode desistir de seu propósito e fará de tudo para encontrar seu irmão. E nessa grande aventura e tão esperado reencontro, ele começa a questionar se as pessoas desaparecidas desejam realmente ser encontradas. E se elas estão felizes com essa nova realidade, ainda de que se convença do contrário, ele propõe ao irmão de que volte e veja como a cidade está após tantos anos longe. 

Tudo parecia estar prestes a se encaixar, mas assim que regressa Nathan é surpreendido e detido pela polícia sobre algo achado em seu laboratório e seus esclarecimentos são impactantes e explicam o porquê de tamanha obsessão com aquele lugar. 

“Agora as pessoas estão morando fora da cidade... nas regiões selvagens de Oblivion? Quem elas se tornaram? Vão voltar para cá e trabalhar em escritórios? Deixar os filhos na escola?
Seria mais fácil ensinar um lobo a dirigir.”


Em uma reunião dos seis primeiros fascículos da série, Kirkman nos surpreende com um enredo que prende do início ao fim, com diálogos fluidos e inserindo ganchos para os próximos volumes. Em meios aos dramas e memórias dos personagens, acompanhamos a luta para seguirem em frente mesmo sob muitas incertezas do que virá a seguir. 

A edição está um escândalo, contam com o impecável trabalho do ilustrador Lorenzo De Felici. 

A cada trabalho fico mais admirada com a capacidade do autor de ousar ao explorar tantos elementos como: ação, reviravoltas eletrizantes, segredos, sem contar que é possível sentir os dramas, as angustias dos personagens tudo isso em pouco mais de 140 páginas de um universo distópico para ninguém colocar defeito. 

Recentemente lançado pela Intrínseca, o segundo volume Oblivion Song: Entre dois mundos, já está disponível para compra e estou muito curiosa para saber quais os desdobramentos após as revelações surpreendentes de Nathan.


1 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Um comentário

  1. Esse livro parece ser incrível, como assim só tem isso de páginas!? Isso é muito legal, como ele conseguiu colocar esse mundo no livro e todas essas tramas? Estou curiosa. O livro parece ter uma edição incrível mesmo <3
    Jardim de Palavras

    ResponderExcluir