| Resenha | História de um grande amor - Julia Quinn - Editora Arqueiro

Título: História de um grande amor - Trilogia Bevelstoke #1
Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Ano: 2020
Páginas: 288
Onde Comprar: AMAZON 
Sinopse:

*Livro recebido em parceria com a editora.



Primeiro Volume da Trilogia Bevelstoke.
Julia Quinn já vendeu mais 1 milhão de livros pela Editora Arqueiro.
Aos 10 anos, Miranda Cheever já dava sinais claros de que não seria nenhuma bela dama. E já nessa idade, aprendeu a aceitar o destino de solteirona que a sociedade lhe reservava.
Até que, numa tarde qualquer, Nigel Bevelstoke, o belo e atraente visconde de Turner, beijou solenemente sua mãozinha e lhe prometeu que, quando ela crescesse, seria tão bonita quanto já era inteligente. Nesse momento, Miranda não só se apaixonou, como teve certeza de que amaria aquele homem para sempre.
Os anos que se seguiram foram implacáveis com Nigel e generosos com Miranda. Ela se tornou a mulher linda e interessante que o visconde previu naquela tarde memorável, enquanto ele virou um homem solitário e amargo, como consequência de um acontecimento devastador.
Mas Miranda nunca esqueceu a verdade que anotou em seu diário tantos anos antes. E agora ela fará de tudo para salvar Nigel da pessoa que ele se tornou e impedir que seu grande amor lhe escape por entre os dedos.




Miranda Cheever tinha 10 anos quando seus olhinhos pousaram em Nigel Bevelstoke. A doce e inteligente menina é bem quista na casa da família devido sua grande amizade com Olivia. Com o passar das horas, mais uma vez seu pai esquecera de lhe buscar e a pedido de lady Rudland, Nigel que veio para casa para o aniversário de sua irmã, a acompanha até em casa. 
“2 de março de 1810.
Hoje eu me apaixonei.”
Naquele momento, Miranda soube que seu coração só poderia pertencer aquele gentil cavalheiro, que tinha alegria nos olhos e um sorriso em seus lábios, mas nem tudo seria para sempre assim na vida desse rapaz. Com o passar dos anos, a doçura deu lugar ao rancor e tudo isso devia-se as constantes infidelidades de sua esposa que morrera precocemente. 

Após guardarem luto, é chegado o momento de Olivia debutar, mas ela só vai com uma condição, se Miranda também for para Londres para iniciar a temporada dos bailes. Mesmo que ela não sinta vontade de interagir com os rapazes, Miranda sabe que precisa se esforçar se quiser encontrar algum partido, uma vez que Turner não deseja entregar seu coração para mais ninguém. 

Quando Winston Bevelstoke demonstra interesse na mulher que ela se tornou e com a ajudinha de Olivia que deseja muito que ela entre para a família, Turner começa a se sentir diferente em relação a Miranda. Seria apenas atração, desejo pela mulher atraente que se tornou? Ele não pode pensar em entregar seus sentimentos a ninguém e sabe que o melhor será recuar, porém Miranda está determinada a resgatar o gentil e doce cavalheiro que um dia ele foi e que conquistou seu coração. Valeria a pena arriscar em nome do amor?
“Era amor, e um amor de mulher. A garotinha que o via como um príncipe encantado não existia mais. Ela era uma mulher agora. Conhecia cada falha dele, sabia muito bem de suas limitações, e ainda o amava.”


Esse livro me conquistou logo no prólogo. Aquele diálogo doce, as primeiras sensações sentidas por Miranda deram aquele quentinho no coração, sabia que não iria me decepcionar com a proposta desse enredo. Aqui temos um romance cativante sobre (re)descobrir o amor. 

A narrativa é linear, em terceira pessoa, mas fluida, com algumas passagens de tempo e podemos acompanhar os escritos de Miranda em seu diário. Mesmo que tenha demorado um pouco para o mocinho cair em si, sendo um tanto cabeça dura, tudo é conduzido com calma, aumentando ainda mais a expectativa pelo felizes para sempre. 

A personalidade dos personagens chama atenção e cativa. Turner se mostra bem diferente do que vemos nos romances de época. E Miranda, já naquela época mostra a força da mulher, questionando as diferenças de tratamento e causando grandes confusões defendendo seu ponto de vista perante a sociedade machista. 
A única coisa que senti falta aqui foi de uma participação mais ativa do pai de Miranda, que claramente negligenciou a criação da filha, mas nem tudo é perfeito, então só achei interessante pontuar. 

Foi uma leitura com muitas cenas divertidas e diálogos de arrancar gargalhadas, a autora acertou na construção da amizade de Miranda e Olivia. O livro dela promete boas confusões e muito riso e serão publicados ainda esse ano, março e maio.


0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário