| Resenha | Má Sorte - Stacey Marie Brown - The Gift Box

Título: Má Sorte 
Autora: Stacey Marie Brown
Editora: The Gift Box
Ano: 2020
Páginas: 438
Nota: 5🌟+💖
Onde Comprar: AMAZON
Sinopse:

Desgraça. Má sorte. Sofrimento.
Devon Thorpe está acostumada a tudo isso.
Depois de receber algumas notícias devastadoras, a vida de Devon se torna uma prisão de responsabilidades, tristezas e dificuldades. Todos os seus sonhos de sair da cidadezinha onde mora, desaparecem. Ela se transforma em uma prisioneira das circunstâncias.
Em um instante de desespero, Devon vivencia um momento impulsivo com um sexy desconhecido de olhos azuis, dentro do banheiro de um restaurante. Um único encontro que foi o suficiente para deixar marcas profundas e lembranças do seu toque para as noites solitárias, quando sua vida se torna um fardo pesado demais para carregar.
Anos depois, um incidente assustador obriga que ela e sua família se mudem para Albuquerque, Novo México, onde arranja um emprego de garçonete em um bar, para ajudar a mãe.
O tatuado, mal-humorado, grosso, de belos olhos castanhos e gostoso pra caramba, Lincoln Kessler, dono do bar, a deixa atraída de imediato. Ela não consegue afastar a sensação de que há uma estranha conexão entre eles.
Porém, quanto mais Lincoln tenta afastá-la, mais determinada ela se torna para desvendar o enigmático homem. Com apenas um beijo ardente, Devon percebe que deveria ter se mantido longe, porque quando seus mundos se colidem e a tragédia acontece, ela chega à conclusão de que ambos não são a salvação um do outro, e sim, o infortúnio.
Um romance dramático sobre um amor malfadado, sofrimento, perdas e o reencontro de seu próprio destino através da dor.
E com uma baita má sorte.




“Aos vinte e dois anos, eu me sentia com o triplo da idade. O fardo era pesado demais para carregar todos os dias.”
Após a perda precoce de seu querido pai, Devon Thorpe, não imaginou que enfrentaria sua maior prova de vida com o diagnóstico de Alzheimer de sua mãe, um ano depois. Sendo a responsável da família, fica a seu cargo cuidar de sua mãe, abrir mão de seus sonhos e trabalhar duro para pagar as despesas da casa, já que sua irmã além de grávida, arruma desculpas para tudo e não tem um pingo de senso. 

Aos 17 anos, Devon enfrenta toda essa avalanche e para piorar descobre que seu namorado está lhe traindo com sua melhor amiga. Chafurdando em sua própria dor, uma boa dose de álcool fluindo por seu sistema, a jovem acaba entrando no banheiro errado do bar onde está e logo é interceptada por um cara atraente, mas um pouco agitado demais. Mas dane-se, ela está com raiva de seu ex- e com o mundo ruindo a sua volta, acaba propondo uma transa rápida. Porém, o que ela jamais poderia imaginar é que ao sair do local, se depararia com o cara sendo detido por seu tio Gavin, o atual xerife da cidade. 

Cinco anos mais tarde, a situação de sua mãe piora, obrigando Devon e sua irmã se instalarem em Albuquerque. Após rodar todos os restaurantes, enfim ela consegue fazer amizade com a gerente que lhe dá uma vaga como garçonete em um bar. 

Linconl Kessler, um homem carrancudo, cheio de segredos e atraente demais. Ele não quer Devon trabalhando no seu bar, mas ela não desiste e se dedica ao trabalho merecendo a vaga. A hostilidade e seu mau humor chama atenção, bem como a sensação de uma estranha familiaridade que insiste em se fazer presente. Quando Devon começa a sentir a necessidade de desvendar o enigma que é esse homem vai se deparar com informações importantes, mas também perigosas e terá que decidir se por ele vale a pena correr o risco de ultrapassar a linha tênue entre o certo e o errado.

“Nunca se desculpe por se defender. Às vezes, você será a única pessoa que fará isso.”


Que história mais avassaladora! 

A narrativa é fluida, instigante e os segredos envolvendo os personagens centrais da trama nos mantem ligados a leitura. O casal é bem construído, cheio de química. Devon é o tipo de personagem sofrida, mas que causa empatia. Sua força e determinação são pontos que vale a pena destacar. 

Má sorte foi meu primeiro contato com a escrita da autora. Tenho certeza de que lerei seus próximos livros. 

É um romance extremamente doloroso sobre perdas, estar quebrado, lutar e enfrentar seus demônios e quão difícil é o caminho quando não vemos a solução para determinadas situações na vida, principalmente ao lidar com doenças na família. A autora foi de uma sensibilidade notória ao conduzir um tema como o Alzheimer. 

Repleto de emoção, cenas de deixar o coração apertadinho, os mais sensíveis certamente vão derramar algumas lágrimas com esse enredo, mas também irão se apaixonar por seus personagens e se inspirar com as lições e mensagens que são deixadas ao longo dos capítulos.


0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário